O que é a morte?

Eu e você iremos encontrá-la, algum dia.

Mas antes,

vamos entender qual é o sentido disso tudo?

 

A cada segundo gasto dentro de um site ou de uma rede social, entregamos a corporações desconhecidas dados valiosíssimos sobre nossos hábitos. A cada curtida, comentário, compartilhamento ou tempo de observação de um post ou stories, estamos ensinando um algoritmo misterioso - criado por homens brancos - a nos conhecer melhor, e portanto, a nos vender melhor. Estamos estimulando e propagando um ambiente de angústia, competitividade e comparação. Estamos produzindo plástico e jogando a embalagem na natureza de ser humano.

​É claro, existem muitas experiências positivas na criação de pontes e de espaços de diálogo na internet. Pessoas que antes não possuíam voz, hoje, por causa das redes sociais virtuais, constróem e mantém, com inteligência, afeto e competência, grandes comunidades ao redor de assuntos importantes como a proteção ao meio ambiente, pautas identitárias e movimentos sociais.

 

Ainda assim, o meio onde as coisas se dão sempre interfere no resultado final de qualquer ação. Toda informação ou conteúdo criado dentro de uma rede social virtual, por melhor que seja, sempre chega dentro de uma embalagem plástica criada por uma empresa privada, com uma ética própria, e visando sempre o lucro. Isso é um fato. Portanto, ao utilizarmos inconscientemente e com cada vez mais frequência essas redes sociais - mesmo que partindo das melhores das intenções - estamos também:

- aumentando o poder de um algoritmo que privilegia brancos;

- entregando nossos dados privados a empresas com as quais provavelmente jamais nos relacionaríamos;

- contribuindo para a normalização de um ambiente tóxico de comparação, competitividade e angústia;

- estimulando nossos seguidores a permanecerem inconscientemente por cada vez mais tempo nesse ambiente, afastando-os da fundamental experiência da vida fora da tela e poluindo, assim, a existência como um todo.

 

Afinal, partindo da ideia de comunidade e humanidade, somos sempre responsáveis pelo outro e pelo mundo ao nosso redor, de alguma maneira.

 

Ou não?

Mas então, qual a saída? Desconectar e fugir para as montanhas? 

Claro que não.

As redes sociais virtuais são uma realidade, como o surgimento da imprensa já foi um dia. Elas vieram para ficar.

O que eu proponho aqui é um espaço para o diálogo e para a criação de novas perspectivas, baseadas em alguns pilares:

- consciência

- equilíbrio

- criatividade

- responsabilidade

#EuVouSairDoInstagram é uma ação, surgida de um desejo e de uma angústia reais, que visa discutir nossa relação com as redes sociais virtuais e com a vida, num processo aberto e compartilhado. 

Será aqui, neste site, que empregarei meu tempo na produção de entrevistas e encontros com pensadores, filósofes, professores, intelectuais, religiosos e personalidades que possam contribuir no debate. Aqui, trarei novidades sobre a problemática das redes sociais - estudos recentes e novas saídas possíveis - além de indicações de livros, artigos, filmes e vídeos sobre o assunto, e claro, para quem se interessar, será neste espaço que também atualizarei notícias sobre a minha carreira, além de disponibilizar conteúdos exclusivos que nunca chegarão ao meu perfil no Instagram. 

Meu perfil no Instagram @gustavo_vaz seguirá existindo, como uma referência ou um farol que nos traga pra cá. É aqui o lugar onde as discussões serão ampliadas, onde existirei mais tempo virtualmente e onde os encontros acontecerão de maneira  pessoal e aproximada.

Isto é um processo, que começa consciente das suas limitações, do seu alto grau de utopia e dos possíveis equívocos que podem ser cometidos. Mas aqui estou eu, saltando no vazio, como sempre fiz em toda a minha vida. 

Talvez eu saia do Instagram amanhã. Talvez no mês que vem. Talvez, em alguns anos. Ou então, no dia da minha morte - e, acredite, nós vamos falar muito sobre a morte aqui. O que importa é que um dia #EuVouSairDoInstagram. Mas antes, eu quero, assim como as pessoas que encontraram espaços de diálogo importantes nas redes sociais virtuais, criar um tipo parecido de lugar de encontro virtual, só que, majoritariamente, fora delas.

#EuVouSairDoInstagram. Mas antes, que tal a gente tentar algo diferente, juntos?

2010 - presente

2010 - presente